Como estagiários e trainees devem montar seus currículos

No segundo semestre de cada ano, grandes empresas iniciam seus processos de trainees e estagiários, em busca de candidatos com formação superior em andamento ou concluída há até dois anos. Geralmente eles oferecem um bom número de vagas, mas a concorrência entre profissionais é sempre grande. Como fazer para se destacar?

Um dos pontos é a montagem do currículo, que pode gerar dúvidas para a maioria destes candidatos. E quando não há experiências profissionais na área, ou às vezes nenhuma? Em primeiro lugar, o jovem deve entender que há muitos outros na mesma situação. Portanto, ele deve procurar se diferenciar mesmo sem experiências profissionais formais.

Aqui vão os passos básicos na montagem do currículo:

 

1 – Reunir informações e dados

Reúna dados sobre cursos de formação ou complementares, datas de início/fim, empresas onde trabalhou, cargos, datas de entrada/saída, habilidades em softwares, certificados, dados para contato, viagens ao exterior. Relembre feitos profissionais e resultados alcançados para a companhia e anote. Quem não tem experiências pode anotar sobre atividades acadêmicas ou voluntariado.

 

2- Definir objetivos

Defina a área e os cargos em que deseja atuar, pensando nos objetivos de curto prazo, que devem ficar claros no currículo.

 

3- Elaborar a descrição das realizações profissionais

Eleja quais realizações identificadas entrarão no seu CV. Crie frases de 15 a 25 palavras para cada uma delas, descrevendo o que você fez, como fez e quais os resultados positivos obtidos para a empresa.

 

4 – Compor o currículo

O currículo é composto da seguinte maneira:

 

Cabeçalho: exibe seu nome, dados pessoais (nacionalidade, idade, estado civil) e seus principais dados de contato (endereço, telefones, e-mail).

Objetivo profissional: é recomendado incluir para facilitar a identificação da área profissional à qual o currículo se refere.

Principais qualificações: Inclua aqui um parágrafo inicial que indica tempo de experiência (se houver), área de atuação predominante na experiência e principais organizações onde trabalhou.  Em seguida, liste de três a cinco realizações, uma por parágrafo, consideradas pontos altos de sua carreira. As realizações mais importantes vêm à frente.

Experiências profissionais: é aqui que você vai se diferenciar dos demais candidatos, falando sobre suas principais realizações.

Liste suas experiências profissionais, citando o nome da empresa, data de entrada e de saída, os cargos que você desempenhou e as principais tarefas realizadas em cada um deles. A ordem deve ser da experiência mais recente para a mais antiga.

Formação: informe nome da instituição de ensino, nome do curso e ano de conclusão previsto ou efetivo. Informe ano de trancamento se for o caso. Para informar mais de um curso, coloque-os do mais recente para o mais antigo.

Idiomas: informe os idiomas estrangeiros que conhece, mencionando seu grau efetivo de conhecimento. Não exagere suas aptidões. Afinal, elas podem ser testadas em entrevistas e, é claro, durante o desempenho da função.

Cursos complementares: inclua nome do curso e da instituição, com ano. Inclua apenas os recentes ou mais importantes para a área que é seu objetivo.

Conhecimentos em informática: inclua softwares, sistemas operacionais e conhecimentos sobre internet, mas coloque apenas o essencial, além de ferramentas importantes para sua área específica, caso saiba trabalhar com elas.

Prêmios: caso tenha ganhado algum prêmio de destaque, cite aqui. Se não houver, este campo não é necessário.

Viagens profissionais: aqui se incluem também viagens ao exterior, com finalidade profissional ou também de estudos e de intercâmbio. É interessante colocar o país, o motivo da viagem e o ano em que ela aconteceu.

Trabalhos voluntários: caso tenha realizado algum tipo de trabalho voluntário, cite qual foi, quando e de que maneira você atuou.

Deixe uma resposta